top of page

A sociedade como um navio que vai




Amigos vamos zarpar/ Paz ou alegria/ Um eco divino nos protegerá/Amigos, vamos zarpar/ Desafiando o destino/ Memória e prodígio nos acompanharão// Sigamos sobre as vagas da alegria e do pesar/ A rota mais romântica/ Do navio que vai/ O navio que vai/ Vamos partir, partir/ O navio que vai.


É sob esta cantata [1] que, em julho de 1914, um grupo de admiradores da maior cantora lírica de todos os tempos, Edmea Tetua, parte da Itália, a bordo do Gloria N. rumo à ilha de Érima. O objetivo da viagem? Assistir ao funeral da cantora que, segundo vontade expressa em testamento, determinou a dispersão de suas cinzas naquela que fora sua ilha natal. Uma rota romântica, como diz a canção.


Quem são os personagens desta rota? Para continuar a ler clique aqui.



[1] BRANT, Sebastian. A nau dos insensatos. a nau dos insensatos. Tradução de Karin Volobuef. São Paulo: Octavo, 2010.


Capa: Ilustração do Navio dos Tolos, Albrecht Dürer, 1494




Comments


Fique por dentro de todos os posts

Obrigado por assinar!

bottom of page