top of page

SEM LUGAR PARA COLOCAR, SEM LUGAR PARA IR (imagens da exuberância irracional na China)

Os vídeos No Place To Place I —The Wonders of Shared Bicycle Graveyards in China e No Place to Place Ⅱ——Graveyards of shared cars and network cars in China divulgados em 15 de dezembro de 2020, de autoria de Wu Guoyong, constituem o registro de uma época recente ainda a ser estudada.


A expressão inglesa “sharing” traduzida por compartilhamento tem o sentido de acesso direto e pessoal a bens e serviços, intermediado por plataformas de internet. Vinculadas às fábricas de bicicletas e automóveis “verdes” estão as gigantes do e-commerce, Alibaba e Tencent. Ou seja, ao nos referirmos à economia de compartilhamento estamos tratando de uma forma generalizada de locação de bens aos participantes de uma rede cujos depósitos, na China e pelo mundo afora, movimenta muitos bilhões de dólares.


Surgida em 2017, a economia de compartilhamento de bicicletas e em seguida de automóveis em rede, produziu milhões de veículos. A China experimentou o que Alan Greenspan, ex-presidente do Federal Reserve (Banco Central) dos EUA, denominou em 1996 de “exuberância irracional” do capitalismo. Quatro anos depois, reduzida a modestas proporções, esse surpreendente crescimento deixou atrás de si um gigantesco lixo urbano, rastros captados pela câmera do cineasta. Voltaremos ao assunto na próxima publicação para melhor contextualizar esses eventos.


Os textos explicativos são de autoria de Wu Guoyong.

Nascido em 1963, em Xiangyang, Hubei, Wu Guoyong foi engenheiro hidráulico antes de se tornar fotógrafo freelancer. Ele se mudou para Shenzhen em 1992. Em 16 de novembro de 2018, Wu ganhou o "Prêmio Visual Anual" da Tencent Media 2018, organizado pela Tencent, a maior empresa de Internet da China.


---


Sem lugar para colocar I — As maravilhas dos cemitérios

de bicicletas compartilhadas na China

O “compartilhamento” de bicicletas, conhecido como uma das "Quatro Novas Grandes Invenções" da China, surgiu durante um período de estímulo ao empreendedorismo e inovação em massa. Em maio de 2015, as primeiras bicicletas compartilhadas sem estação foram introduzidas no campus da Universidade de Pequim. O conceito por trás do compartilhamento de bicicletas, "Viagem Verde" e a solução do problema da "última milha" teve grande aceitação. Em pouco mais de dois anos, mais de 70 empresas de bicicletas compartilhadas surgiram. Cerca de 27 milhões de bicicletas compartilhadas foram implantadas nas principais cidades, com cores distintas para diferenciar as marcas. Logo, as bicicletas compartilhadas começaram a dominar os espaços públicos das cidades.


Originalmente, a desordem urbana forçou o governo a incentivar o compartilhamento de bicicletas. Eles não perceberam a gravidade do problema até setembro de 2017, quando resolveram limitar o número de bicicletas distribuídas, e depositar o excesso em locais temporários. Esses locais escondidos são difíceis de encontrar nas cidades e ganharam o nome de “cemitério de bicicletas compartilhadas”. A maioria das empresas de bicicletas compartilhadas se extinguiram, deixando apenas algumas ainda operando. Bilhões de yuans chineses de depósitos de usuários não podem ser reembolsados, e bicicletas que custam dezenas de bilhões de yuans são abandonadas tornando-se lixo urbano.


Desde janeiro de 2018, o fotógrafo viajou por todo o país para várias cidades ocupadas por bicicletas compartilhadas. Ele visitou mais de 50 cemitérios dessas bicicletas, usando fotografia aérea , filmagem local, VR, vídeo, áudio e outros métodos multimídia para registrar essa maravilha social.


Na manhã de 26 de julho de 2018, Sohu.com lançou esse material, que foi imediatamente difundido na mídia chinesa e estrangeira, atingindo centenas de milhões de pessoas. Os milhares de comentários na Internet amplificaram ainda mais a propagação do material.


Como em uma confusão após a tempestade, as pessoas começam a pensar em vários problemas profundos no modelo de desenvolvimento impulsionado pelos atuais interesses do capital da China. Não são apenas as bicicletas partilhadas sem ter para onde ir, mas também a nossa obsessão, os nossos sonhos de riqueza e o coração de cada um de nós no contexto dos tempos.


Para assistir clique aqui.



Sem lugar para colocar II — Cemitérios de carros compartilhados e carros de rede na China


À medida que o capital é retirado da indústria de bicicletas compartilhadas, os tão disputados cemitérios de bicicletas compartilhadas também desaparecem como se nunca tivessem existido. No entanto, a natureza sanguinária do capital decide que nunca será detida. Em 2019, surgiram outros cemitérios, compostos por carros compartilhados e carros de rede. Estes carros foram abandonados em vários estacionamentos temporários, esperando por remoção ou declarados inúteis. As marcas envolvidas incluíam Geely, Beiqi, Didi, Meituan e Caocao Travel. As razões por trás disso foram os esforços intensificados do governo em controlar o mercado de veículos automotores, os motoristas, a dificuldade de ganhar dinheiro trazida pelas operadoras, o cancelamento de subsídios e a eliminação de carros movidos a energia verde lançados em estágios iniciais devido a mau funcionamento. Enquanto isso, detentores de capitais maiores, como FAW, Dongfeng Motor, Changan Motor, Tencent, Alibaba e Suning, estão ansiosos para ingressar no campo. Talvez outra paisagem artificial produzida pelos fluxos excessivos de capital esteja a caminho.

Para assistir clique aqui.




Commenti


Fique por dentro de todos os posts

Obrigado por assinar!

bottom of page